Boas PráticasDestaqueEventos

Da EE Educador Pedro Cia para o mundo!

Escola de Ensino Integral é palco de transformação

Guilherme dos Anjos é o primeiro em toda a família e cursar o ensino superior e faz Economia na USP

Segundo o dicionário Aurélio, a palavra transformar significa ‘dar nova forma, feição ou caráter a; mudar, modificar’. Após uma grande reviravolta transformadora, o ex-aluno da rede estadual paulista Guilherme dos Anjos está de malas prontas para Nova Iorque, onde participará de um “jantar de gala” para contar a sua experiência de vida. O jovem cresceu na periferia de Santo André, e hoje se encaminha para a fase final do curso de Economia da Universidade de São Paulo, em Ribeirão Preto.

O STEM, desenvolvido pela ONG Worldfund, é um programa de aprendizagem multidisciplinar baseada em projetos práticos e experiências voltadas para a aplicação de Ciências e Matemática em problemas do dia a dia. Esse programa, aplicado na EE Educador Pedro Cia, unidade de ensino integral, transformou a vida de Guilherme dos Anjos, que agora tem a oportunidade de transformar a vida de toda a sua família.

O futuro economista é filho de Rodemilson Clemente, eletricista autônomo, e Noeli Rufino, atendente em uma padaria. Seus pais não tiveram a chance de cursar o ensino superior, e o mesmo aconteceu com todos os integrantes da família. Guilherme não faz parte apenas da primeira geração a entrar numa universidade, mas é o pioneiro que pretende puxar a fila. É por isso que esse texto chama a atenção do leitor para a palavra ‘transformação’.

“Quando falei que iria estudar na USP meus pais ficaram muito felizes, pois sempre me apoiaram. E até hoje eles têm muito orgulho disso”, relembra o estudante. “É um pouco difícil ir para Santo André, pela distância. Mas sempre ligo para casa e conto como estão as coisas”, explica Guilherme.

Mas, toda essa mudança se iniciou há um bom tempo, em 2012. Aluno da rede desde o Ensino Fundamental, Guilherme prestou o Vestibulinho para um curso técnico, mas não obteve êxito. Foi então que um amigo lhe contou que existia um novo modelo escolar na rede estadual paulista, o Programa de Ensino Integral, e que ele deveria tentar se matricular na EE Educador Pedro Cia. Imediatamente, marcou uma visita para conhecer a unidade e gostou do que viu. Pediu, então, que sua mãe o matriculasse para que fizesse o Ensino Médio por lá. A vaga apareceu no ano seguinte, quando Guilherme começou a cursar a 2ª série.

A Pedro Cia faz parte do programa oferecido pela ONG Worldfund, o STEM Brasil. O acrônimo é uma referência em inglês às disciplinas Science, Technology, Engineering, and Math, ou seja, Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática. “É uma metodologia que auxilia as disciplinas de exatas, transformando a dinâmica das aulas. Ao invés de trabalhar aulas e provas, a gente trabalha com projetos. O que demonstra a aplicação das disciplinas no dia a dia”, esclarece Guilherme.

Trata-se de um programa de capacitação de professores nas áreas de Ciências (Física, Química e Biologia) e Matemática, com foco em escolas públicas do Ensino Médio em todo o país. Desde a sua implementação, o STEM já treinou mais de 4 mil professores em 500 escolas brasileiras, provocando um impacto positivo sobre mais de 458 mil estudantes.

Fazer parte do STEM Brasil é algo de “grande importância, pois os professores chegam com a ideia de como trabalhar, mas o que fazer eles nem sempre sabem… embora eles tenham o conhecimento adquirido na faculdade” conta a diretora da EE Educador Pedro Cia, Cleide Mara Dalla Torres. Ela completa que “o STEM Brasil ressignifica o que os professores conhecem com o currículo oficial do Governo de São Paulo. Com isso, os alunos se apropriam das habilidades adquiridas em sala de aula”, finaliza.

Formado em 2013, Guilherme prestou alguns vestibulares e fez o Enem (Exame Nacional do Ensino Médio). Pelo bom desempenho obtido no Exame, foi aprovado para cursar Matemática, na Universidade Estadual paulista – UNESP de São José do Rio Preto. Não sendo este o seu Projeto de Vida, se organizou para realizar outro vestibular. Foi então que, em 2015, se transferiu para a USP de Ribeirão Preto, onde é frequentador da Faculdade de Economia e Administração.

Volta por cima

Guilherme dos Anjos não se abateu quando foi reprovado no Vestibulinho do curso técnico. Escolheu uma unidade de ensino integral da rede estadual e aproveitou cada projeto oferecido pelos professores e pela direção. Os educadores da Pedro Cia, por sua vez, após passarem pelo treinamento do STEM entenderam a importância de se trabalhar projetos práticos. E foi tudo isso, a vontade de Guilherme, aliada à metodologia da escola, que fez dele um vencedor.

Cinco anos se passaram, desde que Guilherme se formou na rede estadual, até que chegou um convite para que ele fosse à Nova Iorque contar a sua história. O “International Gala” será em 7 de junho, e é um evento anual que serve, exclusivamente, para impulsionar novos investidores à ONG Worldfund. Por lá, o futuro economista fará um discurso e terá sua história contada em uma produção audiovisual, projetada no telão.

“No discurso tem um pouco da minha trajetória e falo também da importância que a escola Pedro Cia teve na minha vida. Eu acho que foi uma mudança de 360 graus, principalmente sobre a questão da mentalidade. Além do conhecimento, a unidade mudou meu horizonte. Depois da escola sempre tenho tentado alçar voos mais altos. Coisas que antes eu nem imaginava”, explana Guilherme dos Anjos.

“Guilherme foi escolhido porque representa o nosso objetivo com o programa STEM Brasil da Worldfund: transformar vidas por meio da educação. Foi um aluno que chamou a atenção dos professores por sua dedicação e responsabilidade desde muito jovem. Com a visão prática e questionadora que o STEM Brasil traz, Guilherme entrou na USP, onde cursa Economia. Além de transformar sua vida, tem a possibilidade de transformar a vida de sua família e, porque não, a vida de toda a sociedade no futuro”, afirma Marcos Paim, diretor do STEM Brasil.

International Gala

A Worldfund, ONG com sede em Nova York que promove programas educacionais em escolas públicas no Brasil e no México, oferece anualmente um jantar de gala com 350 convidados, entre executivos de grandes empresas, parceiros e doadores dos Estados Unidos e da América Latina. Este ano o evento acontece no dia 7 de junho em Nova York.

“É o evento mais importante do ano para eles. E para mim, fazer parte é uma honra. Eles estão confiando em mim e me deram uma missão muito grande”, conta o ex-aluno da rede estadual paulista, Guilherme dos Anjos.

Na ocasião, serão homenageados o brasileiro Jair Ribeiro da Silva Neto, CEO do Banco Indusval e Fundador-Presidente da organização Parceiros da Educação, e Blanca Treviño, presidente da empresa de tecnologia Softtek, no México. Ambos patrocinam projetos com foco em educação em seus respectivos países. O evento terá ainda a participação de dois beneficiários dos programas da Worldfund. Do México, a professora e diretora de escola Karina Becerra. Pelo Brasil, será o aluno Guilherme dos Anjos, ex-aluno da escola pública EE Educador Pedro Cia, em Parque Miami, Santo André.

“Graças a parcerias bem-sucedidas com empresas privadas e governos locais, a Worldfund já impactou mais de 9 mil professores e diretores e mais de cinco milhões de alunos desde a sua fundação, em 2002. Nosso crescimento nos últimos anos tem sido bastante expressivo. Apenas de 2017 a 2018, o número de participantes nos programas cresceu 40%, gerando um aumento de 77% no número de alunos impactados”, afirma Kelly Maurice, Diretora Executiva da Worldfund.

STEM Brasil

O programa teve início em 2009 em Pernambuco, e hoje já está presente em 16 estados brasileiros, sempre em parceria com governos locais. “O objetivo do STEM Brasil é incentivar o professor a despertar a sua paixão nos alunos”, afirma Kelly Maurice, Diretora Executiva da Worldfund. “Os bons resultados do programa estão levando outros estados a nos procurarem, e quem ganha com isso é o ensino público do país”, afirma Marcos Paim, diretor do STEM Brasil.

São Paulo é o estado com o maior número de escolas participantes do STEM Brasil. Ao todo, em diferentes fases do programa, são 92 escolas paulistas. De acordo com as notas oficiais da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo, 84% das escolas participantes do STEM Brasil demonstraram um aumento de 20% nas notas de matemática dos alunos. Entre as escolas participantes do STEM Brasil, 88% mantém o programa após a primeira fase, que tem duração de dois anos.

O sucesso do STEM Brasil levou o programa para o México, onde já teve um workshop e será implementado a partir do segundo semestre de 2018 em diversas escolas públicas. Segundo levantamento da consultoria internacional ManpowerGroup, Engenheiros e profissionais de TI são cargos onde há carência de mão de obra em ambos os países.

Worldfund

Fundada em Nova York em 2002 em Nova York, a Worldfund é uma Organização Não-Governamental que trabalha em parceria com governos locais para trazer investimentos de empresas privadas internacionais para projetos educacionais na América Latina. Em 15 anos, a Worldfund já levantou mais de US$ 30 milhões em investimentos e capacitou mais de 8.200 educadores no Brasil e no México, com impacto em mais de 5,3 milhões de estudantes.

Fotos e Vídeos direto do evento em Nova York:

Fotos: Marília Gessa

Vídeo: Stem Brasil

Texto: Secretaria da Educação 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *